View this article in English | bilingual

Dezesseis graus na Paulista

I
 
dezesseis graus na Paulista
tinha o verso tão estruturado esta manhã
e dirijo no fluxo

nunca houve lugar mais belo

nem cidadão mais fiel
 

II
 
chamam-te floresta de concreto       urbe d’aço
exageros         

tomo emprestado
olhares migrantes        aves d’arribação

fixei a ventania que juntou montes

d’outonais folhas na sarjeta
o céu brilhava
diadema d’Imperatriz
mulher que nunca tive
 

III
 
pude voltar com o meu olhar estranho
que sabe desnudar as tuas topografias

luxo supremo         

agridoce:
ninguém dirá que és

“um ninho de pelicanos”           por aqui
nenhuma falésia
                                    ainda que
                                                            gratuitas
adornam bromélias as tuas
                                                            árvores
 
 

IV
 
Clima de serra      disse a Vera

o momento exalou inspiração
quase ninguém conecta com ele
                                                            teus
uma vez pristinos rios

transformados em

esgotos
                                                -quem o negaria?
exiges um olhar educado
                                                em
constante educação
                                    que restitua a matéria
para lá do coriáceo do teu corpo
 

V
 
pude voltar
                        luxo supremo
Koh-I-Noor da coroa inexistente
                        só intuída
para sofrer as epifanias

necessárias
cidade vestibular
            vestíbulo para alguma coisa não lírica
            também lírica
            pré-
semi-
            para-
            meta-
            pós-
            ante-
            trás-
 

VI
 
já o sabia
            há trinta anos o sabia
não passou o tempo
o deambular permanece
                                   
quando não me encontro perto
            ou dentro de ti
exilo-me e dói
                        -quem compreenderia?
os capazes de extrair beleza
do pó acumulado
sobre um arame farpado?
 

VII
 
Boa noute             professor de esquina
Sweet ladies
oh flower of England   boa noute
 
um uruguaio havia há pouco na sauna
ou paraguaio              um cearense             um italiano
de membro parrudo como o de Michelangelo
um coreano              trabalhadores
teus
cidade viril
                        ou amante virago
suculenta virago
                        transformas em espetáculo
os teus corpos densos
            que ao olhar educam
            e satisfazem
 

VIII
 
vi o paraguaio extraviar-se na noite
                                    perder-se em tua
                                    magnífica maquete
e me confessei a palavra agridoce
            -que impressões ficarão de seus tênis
            sobre a rugosidade do meio-fio?
partículas de desamparo
            aquele friccionar oitocentos metros
                        rumo ao metrô
                                   
breve subirá o dia
prevê-se uma manhã nublada
como uma estocada
 

IX
 
dezesseis graus na Avenida Paulista
sucedem-se esquinas
Peixoto Gomide      
Rocha Azevedo      
Joaquim Eugênio de Lima    
Frei Caneca
Augusta
            conselheiros do Império
            o urbanista uruguaio
            o religioso autonomista
            a rua que remete a Lisboa
e tudo atravessa o teu nome de cidade apostólica:
 
sob o signo de Saulo
anuncias o nosso caminho a Damasco
e levarás o seu nome a todos os rincões
esta a tua vertigem
                                    clima de serra
esta a tua
                        missão
 
até as bromélias e as epífitas

concordam
e entoam o teu
hino

X
 
incessantemente
            aqui não importa ser noite
            ou dia claro
no chiaroscuro pinta algum
Caravaggio anônimo
                                    a Paulista
é teu caminho a Damasco

na América
you will prevail
                                    -as folhas mortas
estarão recolhidas amanhã
antes que as hélices dos teus helicópteros
as desfaçam
                        irei com elas para o nunca jamais
                        te abandonarei
                        como faço agora

XI
 
onze tempos de passeio redivivos
te percorro em três minutos
                                                cubos
                                                cubos
                                                cubos
folhas que se dispersam
 
sim vou com elas
                                    rumo ao meu santuário
                                    interior
                                    no chiaroscuro me ilumino
deslindo o que há
o agora
o agora é o que há
o onde é o agora

sob os teus

cascos                                                             

 

 

 

SP 17/19 VII 05