View this article in English | bilingual

Feito Ishmael em Moby Dick

Feito Ishmael em Moby Dick,
sempre que sinto na boca uma

amargura crescente, sempre
que há em minha alma um

novembro úmido e chuvoso
é tempo de fazer-me ao mar.

E munido de quase nada, só
da palavra que é puro sopro,

através dela inflo a vela e parto
em dois o ar e a água que levam

a asa da alma e o casco do corpo
ao encontro do belo monstro

que acena do horizonte com seu
olhar verde e vivo: o Desconhecido,

o sempre bem vindo irmão-
gêmeo da criação, ladrão do fogo

lançando envolto em nuvens
pelas frestas dos aposentos

o seguinte clarão: toda a água

em volta da casa já está estagnada,

pasto para hordas de mosquitos.
E, ouvindo isto, feito Ishmael

parto em dois o mar—poema
sempre a um passo do abismo